Secretarias de Saúde de Alagoas ampliam campanha de vacinação contra o sarampo

Secretarias de Saúde de Alagoas ampliam campanha de vacinação contra o sarampo

Após o registro de sarampo em Arapiraca, as Secretarias de Saúde de Alagoas e do Município (SMS) firmaram parceria para promover medidas para evitar que a doença que, após 19 anos voltou ao estado, não se prolifere. De acordo com a superintendente de Vigilância em Saúde do município, Aglaí Tojal, as medidas de prevenção e controle já vêm sendo adotadas.
“A ocorrência de um caso de sarampo, apesar de se constituir um grave problema de saúde pública, não significa motivo para pânico. A população precisa atualizar o cartão de vacina e estar em alerta para o aparecimento dos sinais e sintomas da doença. Diante de quadro suspeito, deve procurar imediatamente a Unidade Básica de Saúde mais próxima de sua residência”, alerta Tojal.

Entre as medidas, conforme boletim, está a vacinação para bloqueio da doença. Conforme a nota, divulgada pela Sesau, há uma “investigação do caso e coleta de espécimes clínicos (sangue, secreção nasofaríngea e urina) para encaminhar o diagnóstico laboratorial”.
Em outro trecho, a Sesau e a SMS falam no “bloqueio em até 72 horas, com vacinação de todos os contatos do caso suspeito, intensificação vacinal e varredura em áreas com positividade laboratorial para sarampo e vacinação de grupos de risco, tais como profissionais da saúde, profissionais do ramo do turismo, setor hoteleiro e transportes”.
Para o caso da vacinação para as pessoas que não tomaram vacina [tríplice viral] ou que estão com esquema de vacinação incompleto, o procedimento deve seguir normas do Ministério da Saúde, segundo a superintendente.
O CASO – Um homem, de 27 anos, viajou a Salvador (BA), com retorno em 31 de julho, já apresentando os primeiros sintomas e com situação vacinal desconhecida.
SINTOMAS – O primeiro sinal é febre alta, acima de 38,5º C, que dura cerca de 7 dias, acompanhada de tosse, coriza, conjuntivite e fotofobia. Do 2º a 4º dia desse período, surge o exantema, quando se acentuam os sintomas iniciais.
O paciente apresenta prostração e lesões características de sarampo – o exantema, erupção na pele que dura aproximadamente três dias. As lesões se espalham, atingindo eventualmente as mãos e os pés. O período de transmissibilidade inicia-se 6 dias antes do exantema e dura até 4 dias após seu aparecimento, com maior transmissibilidade 2 dias antes e 2 dias após o início do exantema”, diz trecho da nota divulgada pela SMS.


Deixe um comentario