Prefeitura de Palmeira dos Índios exonera e readmite parte dos comissionados após um dia

O prefeito de Palmeira dos Índios, James Ribeiro (PSDB), iniciou oficialmente desde a última quinta-feira (03), um pacote de readmissões de seu primeiro e segundo escalão, que fazem parte  do  teto de 212 comissionados , o conhecido “Trem da Alegria”, exonerados na quarta-feira (02).

A demissão em massa defendida e executada pela prefeitura divide opiniões. Segundo um especialista em improbidade administrativa que preferiu não se identificar, “medidas como esta não limpam a máquina pública e podem configurar abuso de poder, desvio de finalidade e até danos morais. Exonerações seguidas de recontratações devem ser bem fundamentadas”, explicou.

Como já é conhecido em Palmeira dos Índios, o cabide de emprego serve para atender partidos, apoiadores políticos, eleitores, além do clientelismo, que não apenas beneficia amigos, mas também possíveis inimigos sem utilizar qualquer critério racional da necessidade pública.

De acordo com o Diário Oficial eletrônico do município, (publicado no dia 03 / 04 de setembro de 2015), foram readmitidos funcionários da administração, educação e saúde.

James Ribeiro lutou pela “Lei Delegada”, aprovada pela Câmara de Vereadores, que permite a criação de 212 cargos em comissão. Devido a falta de recursos para colocar nos trilhos o cabide de empregos que ficou conhecido como “Trem da Alegria”, o Chefe do Executivo teve que voltar atrás da sua própria decisão, mas não cortou na própria carne quando decidiu exonerar os comissionados e não reduziu o seu próprio salário, sugestão inclusive dada, pela Associação dos Municípios Alagoanos (AMA).

Ribeiro, que já havia demitido todos comissionados, exceto os secretários, vem readmitindo parte desses servidores e segundo informações, muita gente ficará fora da lista,  que se “renovará” com vistas ao pleito de 2016. Segundo fontes ligadas ao chefe do executivo, a avaliação do gestor é de que os recolocados estão, de fato, “comprometidos” com o governo.

Fonte: Estadão Alagoas.


Deixe um comentario