Por 10 votos a 1, Câmara de Vereadores de Rio Largo cassa mandato de prefeito

Por 10 votos a 1, Câmara de Vereadores de Rio Largo cassa mandato de prefeito

Por 10 votos a 1, a Câmara de Vereadores do município de Rio Largo cassou o mandato do prefeito Gilberto Gonçalves (PP), na tarde desta quarta-feira(17).

Acusado de improbidade administrativa, o prefeito não esteve na sessão extraordinária que decidiu pelo seu afastamento. Pela manhã, a Justiça indeferiu mandado de segurança solicitado pelo prefeito e atestou a legalidade do trâmite do processo no legislativo municipal.

O gestor é acusado de improbidade administrativa e está sendo investigado por duas Comissões Processantes (CPs). Ele não compareceu durante a sessão, apenas o advogado o representou.

Gilberto Gonçalves deixa o cargo imediatamente. Quem assume é a esposa, Cristina Gonçalves (PEN), que é vice-prefeita. Ele ainda pode recorrer da decisão no Tribunal de Justiça (TJ/AL).

FAIXAS

Vários pontos do município de Rio Largo amanheceram nesta quarta-feira (17) com faixas de protesto pedindo o afastamento do prefeito Gilberto Gonçalves. Também na manhã desta quarta, antes da sessão, Gonçalves foi às ruas do município para colocar em prova sua popularidade e pedir apoio dos moradores em seu favor, inclusive se concentrar na porta da Câmara Municipal. Ele disse que os vereadores da cidade estão ‘vendidos’.

“Eles [os vereadores] querem acabar com a cidade e botar o mesmo grupo que tomou a minha eleição, tocou fogo, roubou e foi preso”, bradou o prefeito. Vídeos, fotos e áudios com a movimentação no município nesta manhã foram amplamente compartilhados nas redes sociais.

ACUSAÇÃO – O prefeito de Rio Largo é acusado de improbidade administrativa e está sendo investigado por duas Comissões Processantes (CPs), a última aberta no dia 13 de junho.

Na última denúncia, apresentada pelo empresário Helder Cavalcante de Moura, foi entregue à Casa Legislativa um dossiê com as supostas irregularidades cometidas pelo gestor. Dentre elas, a aquisição de um imóvel utilizando a filha menor de idade, que possui 14 anos, como “laranja”. Na compra, apesar de se declarar solteiro, ele teria anexado documentos como se fosse casado.

Ainda segundo os documentos apresentados na denúncia, o gestor municipal de Rio Largo também teria mentido no dia de sua posse, afirmando não possuir bens e imóveis. Além de improbidade administrativa, também são imputados a Gilberto Gonçalves os crimes de ocultação de patrimônio junto à Receita Federal (RF), sonegação fiscal, lavagem de dinheiro mediante a constituição de empresas, falsidade ideológica, fraude contra credores e uso do nome, CPF e identidade falsa.


Deixe um comentario