Gol obriga criança a desembarcar de voo por causa de doença de pele

Gol obriga criança a desembarcar de voo por causa de doença de pele

Um suposto ato de desrespeito e desumanidade tem chamado a atenção nas redes sociais. Uma criança de dois anos, natural do município de Girau do Ponciano, Agreste de Alagoas, foi alvo de possível preconceito da companhia aérea Gol devido a uma doença de pele. O fato está sendo denunciado pela enfermeira Maria Helena Santana em suas redes sociais.
No relato, Maria Helena conta que a criança estava acompanhada dos pais e foi obrigada a desembarcar da aeronave por ter uma doença de pele chamada ictiose, condição dermatológica genética que resulta em uma pele extremamente seca. A ictiose, no entanto, não é contagiosa.

Ainda segundo a enfermeira, os comissários e o comandante afirmaram que a criança teria que sair do avião porque, de acordo com as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), apresentava uma doença contagiosa, mesmo depois de os pais e a profissional de saúde informarem que não era o caso.
“Mostrei fotos do Google e argumentei de toda forma possível. Um passageiro, com sotaque americano, se exaltou e disse: ‘vocês estão atrasando o voo, chame o comandante e ele decide’. Chamaram o comandante, ele olhou a criança e disse que a família deveria dembarcar [sic], porque ele tinha que cumprir normas da Anvisa”, expõe a profissional em sua publicação.

O que diz a Gol
Em nota, a companhia aérea informou que a menor e sua família tiveram o embarque negado no voo G3 1503 (Aracaju – Guarulhos) porque os mesmos não portavam atestado médico explicando a condição da criança, como é recomendado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).
“Seguindo as regras de segurança da Anvisa, a companhia ofereceu todo o suporte necessário, como transporte de ida e volta até um hospital local, para que a família pudesse pegar um atestado liberando a menor para viagem e esclarecendo sobre o diagnóstico da doença, deixando claro que não se tratava de uma enfermidade contagiosa”, diz a nota.
A Gol afirmou ainda que, após todos os esclarecimentos, a família seguiu viagem para São Paulo no voo G31501 (Aracaju – Guarulhos), às 11h20 no dia 26. Na nota, a Gol esclareceu que todo passageiro com doença infectocontagiosa ou genética deve apresentar um atestado médico que especifique a ausência de risco para contágio, como é recomendado pelos órgãos regulatórios, e que este procedimento visa garantir a segurança e saúde de todos.


Deixe um comentario