CSA fica no 0x0 contra o Avaí e chega ao terceiro empate seguido no Brasileirão

CSA fica no 0x0 contra o Avaí e chega ao terceiro empate seguido no Brasileirão

Estreando o uniforme de número três, o CSA não teve sorte e perdeu uma grande chance de conseguir a primeira vitória no Brasileirão. Na Ressacada, em Florianópolis-SC, neste domingo (12), a equipe maruja criou duas claras oportunidades de fazer o gol sobre o Avaí, mas voltou a pecar no quesito finalização. Por isso, amargou o terceiro empate seguido (Palmeiras, Santos e Avaí) no Campeonato Brasileiro. Com o ponto conquistado, o Azulão retomou o 17º lugar, ultrapassando o Grêmio.
Voltando às chances do CSA no jogo, coube ao baixinho Madson perder a grande chance no começo do primeiro tempo. Na volta do intervalo, foi a vez de Matheus Sávio errar a passada e, consequentemente, o gol defendido por Vladimir. Ainda no lado azulino, o goleiro Jordi, quando exigido, confirmou o bom momento com a camisa do Azulão.
Na quinta rodada, o CSA terá uma pedreira pela frente. Segue no Sul do Brasil, onde enfrenta o Internacional – que na rodada bateu o Cruzeiro, por 3×1 – no Beira Rio, às 16 horas do domingo (19). Já o Avaí, viaja até o Rio de Janeiro onde encara o Vasco, que foi goleado por 3×0 pelo Santos, neste domingo.

PRIMEIRO TEMPO E CHANCE PERDIDA
O CSA tinha tudo para conquistar uma boa vitória já desde o primeiro tempo de jogo. Começou “reativo”, esperando o Avaí e saindo em velocidade com o meia Matheus Sávio, pela esquerda. O Leão da Ilha, vivendo um momento conturbado na temporada, se lançou logo ao ataque com o centroavante Daniel Amorim, mas na boa chance que teve, aos cinco minutos, pisou na bola e o zagueiro Gerson saiu com a redonda, na boa.
Mas foi aos 16 minutos que o o zero a zero no placar poderia ter deixado de existir. Matheus Sávio partiu com a bola dominada na esquerda de ataque, deixou o marcador para trás e lançou Madson que vinha entrando na área em velocidade. O baixinho correu tanto que ‘perdeu o tom’ da redonda e mandou por cima do gol defendido por Vladimir.
Após a investida, o time azulino passou a ocupar o campo adversário e conseguia fazer com que o Avaí errasse passes. Se por baixo não conseguia, os catarinenses tentaram com bolas alçadas na área do CSA. No entanto, encontraram uma zaga formada por Gerson e Luciano Castan muito bem postada.
Aos 31 minutos, Sávio escapou mais uma vez. Da esquerda de campo, ele enxergou a infiltração de Cassiano e tentou lançar o atacante. Mas o camisa 20 azulino se enrolou com a redonda e acabou sobrando para o goleiro Vladimir.
O jogo seguiu com muitos erros e pouca iniciativa efetiva das equipes em campo. Até então, o goleiro Jordi era mero espectador da partida no primeiro tempo em Florianópolis. Talvez, presságio da avalanche que estaria a chegar.

O segundo tempo de jogo reservou algumas emoções para o torcedor azulino. Primeiramente, um sentimento de frustração quando Matheus Sávio desperdiçou a mais clara chance de gol que o CSA teve durante a partida. Foi o seguinte: aos oito minutos, bola no alto, Naldo deu uma casquinha para traz, a redonda encontrou Sávio que, sozinho, perdeu a passada e chutou em cima de Vladimir.
Depois disso, o Avaí passou a se soltar mais. Afinal, jogava em casa, diante do torcedor. O meia João Paulo foi o responsável por fazer a equipe ser mais ofensiva. Em uma das investidas do jogador, aos 11, Luciano Castan fez falta próxima a grande área azulina. O próprio João Paulo cobrou, mas ficou fácil nas mãos de Jordi.
Como havia perdido o meio de campo, o técnico Marcelo Cabo resolveu sacar Madson, recuar um pouco Didira e promover a estreia do atacante Maranhão, aos 13. Não deu resultado. O que se viu foi uma avalanche da equipe catarinense a seguir.
Aos 20, o volante Mosquera jogou a bola na área, e Jordi sobiu para defender. Quando o relógio apontou 26, o Avaí escapou pela direita de ataque com Jones Carioca, que passou para Daniel Amorim. O centroavante olhou para o gol e bateu visando o cantinho do goleiro Jordi, mas Gerson colocou o pé e cortou a trajetória. No minuto seguinte, de novo Jones Carioca cruzou e arqueiro azulino pegou a bola no alto e não deu rebote.
Um pouco assustado com o ímpeto dos donos da casa, o CSA recuou e o Avaí ganhou mais campo e passou a chutar de longa distância. Aos 32, o meia Lourenço tentou da intermediária e Jordi se esticou todo para mandar para fora.
Aos 36 minutos, aconteceu uma infelicidade com o ataque azulino. O atacante Robinho, que entrou no lugar de Matheus Sávio, pegou a bola na ponta esquerda, limpou bonito e finalizou. No caminho do gol, na pequena área, Didira estava na frente da trajetória da bola e acabou jogando de zagueiro, tirando a chance do CSA.
Pausa no ataque do Azulão, retomadas as ações ofensivas do Leão da Ilha. Aos 40 minutos, Andre Moritz pegou a bola na entrada da área, lançou o centroavante Daniel Amorim. O jogador caiu na área pedindo pênalti, mas a arbitragem já havia marcado impedimento. Dois minutos depois, erro na saída de bola do CSA, Jones Carioca foi lançado, partiu sozinho em velocidade, mas, na hora da finalização, acabou desarmado por Celsinho.
Nos acréscimos, aos 47, brilhou a estrela do goleiro Jordi. Lourenço soltou um foguetaço da intermediária e o arqueiro azulino espalmou para cima. No rebote, a bola caiu nas mãos dele mesmo.
No minutos seguinte, outra chance para o CSA achar um gol. O meia Victor Paraíba cavou uma falta na ponta direita do campo ofensivo. Todo mundo na área esperando o cruzamento perfeito. Mas o lateral direito Celsinho mandou mal e não conseguiu deixar um companheiro em boas condições de finalizar. Fim de jogo sem gols na Ressacada.


Deixe um comentario