CSA começa bem, mas cede empate ao Treze na estreia pela Copa do Nordeste: 1 a 1

CSA começa bem, mas cede empate ao Treze na estreia pela Copa do Nordeste: 1 a 1

 

Abrindo a primeira rodada do Nordestão 2021 neste domingo (28), o CSA recebeu o Treze da Paraíba no Estádio Rei Pelé. O Azulão vencia o jogo até os minutos finais, quando foi surpreendido pelo gol de empate alvinegro. O placar decepcionou a torcida azulina, que com a igualdade larga um pouco atrás dos adversários diretos. Já para o Treze, foi considerado um ponto valioso, levando em conta as circunstâncias.

Após o desmotivante resultado na estreia, o CSA se prepara para mais um confronto no Campeonato Alagoano. Os marujos vão receber o desesperado CEO no Estádio Rei Pelé, na próxima quarta (3) às 20h. Pelo Nordestão, o CSA viajará para Lagarto, interior de Sergipe, onde reencontra o Confiança, quase 3 meses depois da contundente vitória por 5 a 1 em Sergipe pela Série B 2020. O confronto está previsto para domingo (7) no Estádio Barretão.

Já o Treze, após um começo de ano abaixo do esperado, vai um pouco mais aliviado para as partidas seguintes. O Galo da Borborema vai receber o Altos do Piauí no próximo sábado (6) às 18h15 no Amigão em Campina Grande. O alvinegro mantém foco total na Copa do Nordeste até sua estreia no Campeonato Paraibano 2021. Seu primeiro jogo no estadual está previsto para o dia 17 de março, uma quarta-feira, onde receberá o Atlético Cajazeirense.

Com dois tempos distintos, CSA não consegue garantir a vitória — Ailton Cruz

Primeiro Tempo

O CSA começou empolgado e bastante ofensivo nos primeiros minutos. Usando muito das jogadas pelas pontas, cercou a área alvinegra, porém nada que assustasse o goleiro Jeferson. O Treze só veio realmente incomodar por volta dos 10 minutos, quando o volante Geovane perdeu a bola no centro do campo e gerou contra-ataque para o Galo, mas que também não foi bem aproveitado pelos visitantes. Apesar das tentativas, nada foi concretizado como manda o figurino nos primeiros 15 minutos.

O jogo começou a ficar mais faltoso de ambos os lados. Tanto, que houve diversas paralisações, como para o atendimento de Nadson aos 20 minutos por uma bolada no rosto. Mesmo com o Treze completamente armado para o contra-ataque, o CSA passou a errar muitos passes pelo centro e pelas pontas, irritando o técnico Mozart. Porém nada como uma bola parada para quebrar o gelo. O CSA teve sua melhor chance no jogo após um escanteio, na sobra do cruzamento, o chute de Rodrigo Pimpão foi colocado, entretanto defendido pelo goleiro Jeferson.

Demorou, mas o Treze teve sua primeira boa jogada aos 33′, o meia Birungueta fez boa articulação pelo lado direito do ataque treziano, tocou bonito para Kleyton que cruzou para Jairinho, mas o cabeceio foi em cima do goleiro azulino. A reta final da primeira etapa ainda contou com o cartão amarelo recebido pelo lateral Paulinho, do Treze, por uma entrada forte em Rodrigo Pimpão. Fora isso, os primeiros 45 minutos foram marcados por uma afobação do CSA, que não conseguiu nenhuma grande chance, mas teve muitos lances de impedimento assinalados contra, cinco no total. O placar não poderia ser outro no primeiro tempo do Rei Pelé: 0 a 0.

Mesmo com mais posse, CSA não conseguiu ser eficiente no primeiro tempo — Ailton Cruz

Segundo Tempo

Parecia outro jogo, mas tanto CSA, como o Treze pareceram um pouco mais animados. Mesmo sem nenhuma alteração, aparentemente o papo de vestiário funcionou, porque com apenas 3 minutos da etapa final houve um belo cruzamento de Norberto, para um solitário Dellatorre, que mandou um petardo no gol alvinegro, 1 a 0 pro CSA. O gol assustou os visitantes e tranquilizou o CSA, que não parou de atacar a equipe paraibana mesmo após um começo de segundo tempo que tirou um peso das costas azulinas e mudou totalmente o time em relação à primeira etapa.

 

No início do segundo tempo, Dellatorre inaugurou o marcador para o Azulão — Ailton Cruz

Os primeiros minutos do CSA foram mágicos, com Norberto distribuindo pelo lado direito, os alagoanos tiveram boas chances até de ampliar o placar. O Treze parecia que assistia ao time azulino, que passava facilmente pela marcação do lado esquerdo da defesa. Por isso, o técnico Marcelinho Paraíba tentou salvar a equipe logo com duas alterações aos 17 minutos de jogo no segundo tempo. O Treze bem que tentou ser mais ofensivo, contudo a tranquilidade do Azulão falou mais alto e o time seguiu criando chances perigosas. Marcelinho Paraíba não ficou nada feliz, e já gastou todas a suas alterações antes dos 30 minutos.

Com muito sangue renovado em campo, o Treze foi para o tudo ou nada, Marcelinho Paraíba convocou todos os atacantes que tinha no banco, e o técnico Mozart respondeu chamando Marquinhos e Wallace para entrarem no jogo. O Galo da Borborema, tomado pelo desespero da derrota parcial, foi com tudo pra cima, dando espaços para o time do Mutange, que esperou sem grandes sustos no seu campo de defesa. O Treze foi mais forte nos últimos dez minutos do que no jogo inteiro. Na bola parada, o time da Paráiba viu enfim algo funcionar para seu ataque, a defesa azulina não cortou bem, e no rebote de um chute na trave João Leonardo, vindo do banco, encaçapou a bola na rede alagoana, empatando o jogo aos 42′, fazendo brilhar a estrela do técnico e ídolo da nação alvinegra, Marcelinho Paraíba.

Escolhido por Marcelinho no segundo tempo, João Leonardo atrapalhou festa do Azulão — Ailton Cruz

Ficha Técnica

CSA – Thiago Rodrigues; Norberto, Rodolfo Filemon, Lucão e Fabrício; Geovane (Bruno Mota), Silas, Nadson (Marquinhos); Gabriel, Rodrigo Pimpão (Wallace) e Dellatorre. Técnico: Mozart

Treze – Jeferson; Paulinho, Adriano, Romulo e Bruce (Emerson); Darlan, Régis Potiguar (Romeu), Birungueta (Rogerinho), Kleyton; Jairinho (Ancelmo) e Sony Anderson (João Leonardo). Técnico: Marcelinho Paraíba.

Árbitro – Wagner Francisco Silva Souza (CBF)

Assistentes – Jose Carlos Oliveira dos Santos e Daniella Coutinho Pinto (CBF)

Quarto árbitro – Jonata de Souza Gouveia (CBF).

Fonte: Gazetaweb.


Deixe um comentario