CBF divulga números da pandemia no futebol e defende realização de jogos: “É seguro, responsável e controlado”

CBF divulga números da pandemia no futebol e defende realização de jogos: “É seguro, responsável e controlado”

 

A CBF divulgou na manhã desta quarta-feira, numa transmissão ao vivo por meio do seu canal no Youtube, um relatório da efetividade do protocolo de segurança e combate ao coronavírus e defendeu a continuidade dos campeonatos nacionais, organizados pela entidade, em meio ao auge da pandemia no Brasil.

– A aplicação do protocolo sanitário, com a convicção ainda mais forte que nós já tínhamos no ponto de vista teórico, em agosto, quando retomamos. Mas agora com convicção da aplicação na prática. O futebol é seguro, controlado, responsável e tem todas as condições de continuar – disse Walter Feldman, secretário-geral da CBF, antes de passar a palavra ao médico Jorge Pagura.

Esse é o pior momento da pandemia no Brasil. Nas últimas 24h, 1.954 pessoas morreram no país vítimas da Covid-19, um recorde. Ao todo, o Brasil perdeu 268.568 vidas para o vírus até a noite de terça. Só em março, já são 13.550 mortes registradas em solo brasileiro.

Alguns dados apresentados pelo relatório da CBF:

  • De agosto até o fim da temporada passada, marcada pela final da Copa do Brasil, 367 equipes estiveram envolvidas em competições da CBF em 20 campeonatos diferentes. Foram 2.423 partidas ao todo.
  • Foram realizados testes de Covid nos 26 estados + Distrito Federal. Ao todo, foram 112 municípios brasileiros.
  • Foram feitos 89.052 testes PCR em pessoas envolvidas nas partidas – desses, 13.237 foram atletas. Nenhum jogador entrou em campo sem ser testado. A CBF informou que apenas 2,2% de todos os testes deram positivo.

Em seguida, Pagura, que é o coordenador médico da CBF, apresentou alguns dados e informações sobre o protocolo que explicam a decisão da entidade em seguir com os campeonatos no Brasil.

– Trabalhamos em conjunto para que a gente pudesse realizar nossa atividade. Somos médicos, treinados para salvar e não há nada mais importante que a vida. Reconhecemos também o problema social como perda de empregos. Tentamos unir preservação da saúde de qualquer maneira e tentar elaborar um protocolo que preenchesse alguns preceitos. 1º: segurança de todos; 2º: controlabilidade; 3º: manutenção das atividades. Isso norteou o nosso trabalho – disse Pagura.

“Na curva de ocorrência por 200 mil habitantes, o futebol se dissociou. Quando tem alguns picos, rapidamente volta ao normal. Eram surtos isolados. Tanto que depois baixava”, acrescentou Pagura.

O coordenador médico da CBF concluiu reafirmando o que disse Feldman: que o futebol é uma atividade “segura e responsável”.

– A CBF protegeu os jogadores. Não só isso, ela protegeu quando foi buscar o positivo e tirar ele de circulação. Não só do futebol, mas das atividades do dia a dia. E isso pode realmente ser aplicado para a manutenção de algumas atividades. Eu tenho absoluta convicção que, seguindo as medidas, posso afirmar que o futebol mostrou-se uma atividade responsável e segura.

Caso Valvídia

 

No dia 16 de janeiro deste ano, um caso chamou atenção na Série B do Brasileirão: Valvídia, do Avaí, foi comunicado no intervalo do jogo contra o CSA que havia testado positivo para coronavírus e, portanto, foi retirado da partida.

Convidado para a apresentação do relatório, o epidemiologista Bráulio Roberto Marinho explica o que ocorreu.

– O Valdívia jogou o primeiro tempo da partida, o teste positivo foi comunicado no intervalo. Acompanhamos os 14 dias seguintes no CSA. Três dias depois, 19 testes e nenhum positivo. Seis dias depois, 18 testes e nenhum positivo. Treze dias depois, outros 19 testes e nenhum positivo. Mesmo no cenário extremo, não há a transmissão do vírus em campo – disse.

Ajustes para 2021

 

A CBF também apresentou em seu relatório alguns ajustes que serão aplicadas no protocolo para a temporada 2021 que acabou de começar. Sobretudo, no processo de testagem e acompanhamento de jogadores e membros das comissões técnicas dos clubes.

  • Testes RT-PCR em média 72h antes de cada partida para atletas e EXTENSIVO à comissão técnica no campo de jogo.
  • Testes RT-PCR após 72 horas do retorno da delegação nas rodadas como visitantes, se o intervalo para a partida seguinte exceder cinco dias
  • Notificação compulsória dos casos positivos à Comissão Médica Especial da CBF – obrigatória para análise de liberação do isolamento respiratório.

Fonte: Globo Esporte.


Deixe um comentario