Alagoas fecha igrejas, shoppings, bares e outros estabelecimentos: ‘Isolamento total’, diz governador

Alagoas fecha igrejas, shoppings, bares e outros estabelecimentos: ‘Isolamento total’, diz governador

O governo de Alagoas determinou, por meio de decreto de emergência, o fechamento de igrejas, shoppings, bares, restaurantes e outros diversos estabelecimentos comerciais a partir da meia-noite desta sexta-feira (20), durante 10 dias (veja os detalhes na lista abaixo).

Além disso, pessoas gripadas deverão ficar em casa por 14 dias. O governador Renan Filho (MDB) fala em ‘isolamento total’ para evitar a disseminação do novo coronavírus no estado.

Alagoas tem 4 casos confirmados de Covid-19
Veja todas as medidas adotadas no estado em prevenção ao coronavírus
Brasil tem mais de 630 casos confirmados de coronavírus
CORONAVÍRUS: veja perguntas e respostas
Fica permitido o funcionamento apenas de supermercados, farmácias e locais que prestem serviços de saúde, higiene, limpeza e alimentação

O anúncio foi feito em conjunto com o prefeito de Maceió, Rui Palmeira (sem partido). Para a capital do estado, o prefeito informou que também baixou um decreto para fechamento dos mesmos estabelecimentos na cidade, “preservando serviços de limpeza, higiene pessoal e alimentação”.

Veja os detalhes abaixo:

Fechados por 10 dias

bares, restaurantes e lanchonetes (poderão funcionar apenas por meio de serviço de entrega)
estabelecimentos de comércio que prestem serviço com a presença de clientes
templos, igrejas e demais instituições religiosas
museus, cinemas, eventos culturais, feiras, exposições e outros equipamentos culturais
academias, centros de treinamento
shoppings, galerias e demais estabelecimentos
barracas de praia na orla, rios, piscinas, clubes e receptivos e outros locais com aglomeração
“Se alguém, por exemplo, de bar ou restaurante insistir em funcionar, a Prefeitura poderá cassar sua licença de funcionamento. Estamos tratando de vidas, a gente não pode brincar com isso. Realmente é uma operação de guerra”, explicou o prefeito Rui Palmeira.

Governador de Alagoas e prefeito de Maceió falam sobre decreto emergencial

Podem funcionar

supermercados, farmácias e locais que prestam serviços de saúde
indústrias e fornecedores do ramo farmacêutico, químico, alimentício, produção hospitalar, de água, gás, limpeza e higiene
órgãos de imprensa e meios de comunicação e telecomunicação
estabelecimentos odontológicos, hospitalares, laboratório de análises, clínicas de fisioterapia, psicológicas e de reabilitação
distribuidoras de energia e serviços de telecomunicações
postos de combustíveis
funerárias
agências bancárias
casas lotéricas
padarias
clínicas veterinárias
lojas de produtos para animais
lavanderias
oficinas mecânicas
Transporte de passageiros

O decreto também proíbe transporte intermunicipal regular, complementares e trens urbanos, pelo mesmo período de 10 dias. Na prática, moradores só poderão viajar de uma cidade para outra em Alagoas de carro.

Contudo, os veículos de transporte terrestre de passageiros serão inspecionados pela Polícia Rodoviária Estadual.

O objetivo é verificar a presença de passageiros que possam apresentar sintomas da Covid-19 e direcioná-los ao atendimento de saúde.

Serviços públicos mantidos

água
Secretaria de Estado da Saúde (Sesau)
Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP)
Polícia Militar
Defesa Civil
Perícia Oficial
Agência de Defesa e Inspeção Agropecuária de Alagoas (Adeal)
O cumprimento do decreto vai ser fiscalizado pela Polícia Militar e pela Guarda Municipal de Maceió. “Haverá fiscalização e haverá responsabilização civil. Quem não compreende a importância do momento está brincando com a sua própria vida e com a vida do cidadão alagoano”, disse o governador Renan Filho.
O decreto governamental também determina ponto facultativo para servidores estaduais até 27 de março, a partir da meia-noite desta sexta.

“O objetivo é a proteção da população. Enfrentaremos juntos por um único objetivo”, falou Renan Filho.


Deixe um comentario